Educar com firmeza e benevolência: missão (im)possível?

Não tenhamos medo de ser vistos como maus pais. Sem limites, a criança tem uma forte chance de cair, e se alguma queda dói, outras são fatais

 

Que maus são aqueles pais que trancam seu bebê em uma prisão! Quem poderia pensar tal coisa quando vê uma criança dormindo tranquilamente em seu berço? É claro que todos sabem que esta cama é necessária para a segurança da criança e, como é segura, a criança se sente bem nela.

Numa cama grande, ele estaria perdido e teria uma grande chance de cair. As barras, como um copo de água meio vazio ou meio cheio, podem ser vistas como uma prisão ou, inversamente, como uma segurança… Esta imagem da cama com proteção vale a pena meditar, porque nos mostra o quanto a criança precisa de segurança para se desenvolver bem.

Uma firmeza que protege

As barras evitam a queda. Assim como um bebê não as pede quando são necessárias, uma criança não pedirá a seus pais a firmeza que precisa para crescer a salvo – a bondade da firmeza que o ajudará a crescer com confiança.

Concretamente, são estes “sim” que não são “não” e estes “não” que não são “sim” que permitem à criança saber o que foi decidido para o seu próprio bem e, assim, sentir-se segura. É reconfortante para a criança experimentar que o adulto diz o que sabe, e até impõe. E que para este adulto explicar as razões de uma ordem, um pedido, não é necessariamente uma negociação.

Devemos evitar ameaças que nunca executaremos (“Parem de discutir no carro ou abandonarei algum na acostamento da estrada!”): perdemos nossa credibilidade. Não vamos dar indefinidamente “novas oportunidades” que não existem, mas façamos o que dizemos: “Se você se levantar da mesa, o almoço pára para você” – se parar, então não haverá sobremesa. E não lhe oferece outro uma hora depois…

Aprendendo a viver com restrições

Estes “sim” e “não” nos quais não retrocedemos são a estaca que permite o crescimento da planta. Portanto, não tenhamos medo de ser vistos como maus pais. Sem limites, a criança tem uma forte chance de cair, e se alguma caída dói, outras são fatais.

Não colocamos a criança numa cama de adulto demasiado cedo, o que evitará dificuldades para adormecer, medo do escuro, do vazio.

Da mesma forma, não vamos remover o tutor demasiado cedo: se ele ainda não está na idade em que às vezes lhe podem pedir sua opinião, não vamos deixá-lo a escolha. O questionamento constante o colocaria num estado de incerteza e ansiedade.

Por outro lado, se a criança não aprender a viver com restrições, a aceitar a frustração, há uma grande possibilidade de que, quando crescer, ela se torne escrava de seus desejos e caprichos.

Firmeza silenciosa acompanhada de consistência corajosa são as condições indispensáveis para qualquer verdadeira educação, uma fonte de confiança e felicidade.

 

Inès de Franclieu

https://pt.aleteia.org/cp1/2020/07/20/educar-com-firmeza-e-benevolencia-missao-impossivel/