Dicas e truques para manter a calma com as crianças

Normalmente, as faltas que mais nos irritam em nossos filhos são aquelas que não aceitamos em nós mesmos

 

Todos nós gostaríamos de ser bons pais, cheios de amor e paciência, sonhamos em nunca machucar nossos filhos , em nunca ser injustos e temos que admitir que somos pais imperfeitos e pecadores. Diante dessas crianças que amamos mais do que a nós mesmos, às vezes ficamos cheios de raiva e as palavras que são muito duras, os gritos ou as censuras injustas são dolorosos. Por que perdemos o controle de nós mesmos dessa maneira?

 

Quando preocupação e fadiga se combinam

A fadiga costuma ser a causa. Quantos pais ficam zangados com os filhos – inevitavelmente provocando mais gritos – porque eles estão tão exaustos exaustos? Não falta fé nem coragem para reconhecer os teus limites e dizer: “Não aguento mais!. “Em vez de cerrar os dentes até quebre, em vez de tomar belas resoluções de paciência nunca cumpridas porque são impossíveis de manter, é melhor olhar o problema de frente e tomar os meios concretos para remediá-lo: dormir mais, procurar ajuda se possível, pedir a um amigo para ficarem de babá de vez em quando, etc.

Mas a preocupação também pode gerar injustiça. Marion está no 6º ano e seus resultados na escola são medíocres. Desde o início do ano letivo, seu pai a assediou de todas as formas possíveis, multiplicando as reprovações e punições. Ele sente que está exagerando, que é injusto e que seu comportamento só acaba paralisando Marion, que treme ao perder as suas regalias. Até o dia em que ele percebeu que essa agressividade vem do fato de, trinta anos antes, ter repetido o 6ª ano , foi um ano difícil pra ele. Ele teme que Marion conheça o mesmo fracasso e quer protegê-la. Quando ele concorda em parar de se preocupar, toda a tensão cessa. Em vez de oprimir Marion, ele a encoraja pacificamente e os resultados escolares disparam!

A preocupação e o cansaço podem aumentam. É o que acontece quando uma criança é particularmente difícil e não sabemos mais o que fazer? É bom poder “passar a mão” de vez em quando, confiar aos avós, à madrinha, aos amigos, permite-te recuperar o fôlego.

Cuidado com o círculo vicioso de raiva e violência 

A recusa em se perdoar é muitas vezes a causa de uma “autopunição” disfarçada. Normalmente, as faltas que mais nos irritam em nossos filhos são aquelas que não aceitamos em nós mesmos. Para ser gentil com os outros, você deve começar sendo gentil e misericordioso consigo mesmo. No entanto, muitas vezes fazemos exatamente o oposto: quanto mais violentos somos, mais nos sobrecarregamos de reprovação e desprezo, alimentando assim uma fonte de violência dentro de nós. Perdoar-se não é pedir desculpas ou cair na complacência: pelo contrário, é receber-se de Deus como um prodígio infinitamente maior que o próprio pecado e seus limites aparentes.

A recusa em perdoar os outros fecha-se em um círculo vicioso: Jerônimo sofre uma injustiça por parte do patrão sem poder responder; de volta para casa, cheio de amargura e ressentimento, ele se zanga com sua esposa por uma besteira; ferida, por sua vez, ela engole as lágrimas, mas se irrita com o filho que não se senta à mesa; ulcerada, a criança chuta o cachorro, último bode expiatório dessa violência em cadeia. O contágio da violência é bem conhecido nas relações familiares. A única maneira de quebrar essa engrenagem infernal é o perdão.

Fadiga, medo, amargura, ressentimento… As causas da nossa violência são múltiplas e frequentemente complexas. Esses poucos benchmarks de forma alguma pretendem cobrir a questão. Que sejam simplesmente um convite a reconhecer a violência que há em nós: se ousarmos nomeá-la e oferecê-la ao amor misericordioso do Senhor, ele a mudará suavemente.

 

Edifa 

https://pt.aleteia.org/cp1/2021/04/19/dicas-e-truques-para-manter-a-calma-com-as-criancas/