Aqueles pequenos rituais que podem unificar a sua família

Os pequenos rituais diários e os pequenos gestos de cada família funcionam como cimento verdadeiro! Respondem  às necessidades essenciais: dar confiança às crianças, reforçar a identidade familiar, ajudar uma família a crescer espiritualmente. E, nesta área, os pais são muito engenhosos!

 

Os rituais dão sabor à vida quotidiana, introduzindo variedade. E esta é a sua função principal: dar sentido e alívio à monotonia dos dias. Santificar o domingo envolve mil detalhes concretos para que seja um dia diferente. Por exemplo, colocar o pão do pequeno-almoço no forno, acender uma vela ao almoço ou ver um bom filme com a família no fim-de-semana. Outra função dos ritos é forjar a identidade da família, para tornar o seu modo de vida diferente de qualquer outra. Vivendo num clima alegre, promovem o crescimento e a realização serena. É uma forma de dar sentido às repetições da vida quotidiana.

 

Os ritos que dão ritmo à vida diária e a tornam mais alegre. 

Para enriquecer a monotonia dos dias, não precisa de se partir a cabeça! Mantenha-o simples e use o essencial: refeições, viagem para a escola, o trajeto das férias… Todos estes momentos são – também – oportunidades para fazer crescer o amor, para criar uma “mais-valia” de calor e vida, para reencantar a vida quotidiana em vez de a sofrer.

A vida quotidiana é renovada pelo amor, o amor familiar certamente, o amor de Deus também. É a Ave Maria que Daniel canta todas as manhãs com seus filhos quando liga o carro que os leva para a escola e para o trabalho. Humildade de ocasiões: Christophe e Maria aproveitam a caminhada crepuscular do cão para rezar juntos e revisar o seu dia sob o olhar de Deus.

 

Pequenos passos para ajudar nas diferentes fases da vida.

Em certas etapas, os ritos são mais necessários do que nunca. Especialmente quando as crianças são pequenas. Não é um dos grandes prazeres do jovem casal inventar os seus próprios rituais baseados nas tradições das duas famílias?

Na casa de Bertrand e Diane, cuja mãe é de origem americana, comem-se panquecas de xarope de bordo aos domingos de manhã e, nos feriados, jogam-se jogos de tabuleiro, como na família dele. É a mesma coisa quando os adolescentes mais velhos vão de férias de verão sem seus pais. Na casa de Jean e Isabelle, no final de Agosto, os três adultos se reúnem com os pais para um jantar num restaurante onde um fala do seu campo de escuteiros, o outro sobre o seu estágio em África e o terceiro sobre as suas atividades desportivas…

Finalmente, no caso de um choque duro (viuvez, por exemplo, acompanhada de um novo casamento), estes hábitos permitem construir o novo grupo familiar, especialmente quando há crianças de ambos os lados que, é claro, cresceram com hábitos diferentes.

 

Ritos de passagem a não negligenciar  

Paralelamente  a estes ritos de união, que reforçam a coesão, existem ritos de passagem. Eles ajudam a passar pelas etapas da vida e acompanham os grandes eventos (batismos, casamentos, funerais). A Igreja, “especialista em humanidade”, considera-os muito a sério. Ela oferece rituais – muitas vezes desconhecidos – que são tanto humanamente equilibrados como espiritualmente significativos.

Os passos mais comuns merecem também ser notados. Talvez o protótipo do rito de passagem seja o famoso “ratinho” dos dentes de bebê. O que importa é transformar, com uma moeda ou um livro como no caso de Paul e Anna, um evento que é, se não traumático, pelo menos um pouco confuso (estamos com a boca cheia de buracos!) em um evento domado e simpático. Em casa de Éric e Caroline, durante as grandes compras no final do Verão, pouco antes do início do ano escolar, as crianças escolhem cada uma o seu próprio pacote de cereais para o dia “D” e para os dias seguintes. Um favor que ilumina esta época do ano, quando a nostalgia e a apreensão costumam estar na ordem do dia.

 

Ritos que ajudam a crescer espiritualmente

Quem não experimentou também o papel tranquilizador do ritual da hora de dormir para fazer a transição para o sono pacificamente? Escovar os dentes, contar uma história, rezar, abraçar, beijar… são tantos gestos que acalmam. Periodicamente, estes rituais familiares precisam de ser revisitados para evitar que se transformem em hábitos esclerosantes ou mesmo mortíferos. O desgaste e a falta de interesse dos adolescentes são por vezes um sinal de que certos rituais precisam de ser renovados. Pode ser uma boa ideia deixar os adolescentes expressarem a sua marca, e assumirem mais responsabilidade nos rituais familiares.

Isto também é verdade, com mais seriedade, na oração familiar. Se normalmente é um “Obrigado”, um “Perdão”, um “Senhor, eu te confio”, ou uma “Ave Maria” e um “Pai Nosso”, nos dias de cansaço será um simples “Jesus eu te amo” ou um belo sinal da cruz.

As fórmulas também podem variar de acordo com a idade. “Bravo”, beijar em frente a uma estátua ou ícone, é fácil para o pequeno. Mais tarde, são evangelhos com gestos, depois canções que um ou outro acompanha com o seu instrumento musical, ou um tempo de silêncio juntos… Sem mencionar as variações que devem ser trazidas de acordo com o tempo litúrgico.

O desafio é ajudar as pessoas a adquirir este núcleo sólido que elas manterão durante toda a sua vida, esta fé individual e portátil, dando ao nosso tempo uma outra dimensão, a de uma vida com Cristo.

 

Jean-Claude et Yolande Bésida

https://pt.aleteia.org/cp1/2019/12/30/aqueles-pequenos-rituais-que-podem-unificar-a-sua-familia/