A virtude que nos ajuda a ser mais felizes

A frugalidade é uma peça importante no quebra-cabeça da vida e nos dá muitos frutos

Todos nós buscamos a felicidade. Se perguntarmos a alguma pessoa se ela quer ser feliz, sem dúvida ela dirá: “Claro!”

A frugalidade, sinônimo de temperança e sobriedade, enobrece aqueles que a praticam e os ajuda a ser mais felizes. É como uma peça minúscula, mas fundamental no quebra-cabeça da vida. É um modo de vida que germina no espírito dando-nos a paz interior. Mas, para viver com frugalidade, é fundamental saber encontrar o equilíbrio nas coisas que temos. Não devemos buscar a frugalidade apenas como abnegação ou conformismo a um modismo, mas como algo que nos beneficia como pessoa, que melhora nossa vida.

Frugalidade e consumismo

A economia do consumismo gira em torno da infelicidade. Depende de nós pensarmos: “Preciso desses sapatos para ser feliz” ou “No dia em que conseguir esse carro, serei feliz…”

Porém, se formos felizes e tivermos consciência de estarmos realizados, não buscaremos a felicidade superficial em sapatos novos ou em um carro novo. Portanto, seremos mais frugais. Além disso, a frugalidade não é estritamente uma questão de reduzir o consumo ao máximo, mas de viver com desprendimento e gratidão.

É muito fácil distinguir a felicidade das pessoas que têm ordem e serenidade interiores e daquelas cujo exterior não está em harmonia com o seu interior.

Você quer ser feliz?

Neste ponto, talvez a primeira pergunta a se fazer seja: “Eu quero buscar a felicidade?”

E, em segundo lugar: “Onde começo a viver a virtude da frugalidade se quero mudar meu estilo de vida junto com minha família?”

Para começar, devemos examinar o que precisaríamos mudar dentro de nós para buscar essa virtude. Ser frugal requer autoconhecimento e autocontrole. Estamos dispostos a promover moderação, temperança e sobriedade?

O compromisso com a felicidade

Uma vez que tenhamos dado este passo de compromisso, podemos começar a fazer uma viagem mental através de cada um dos espaços e hábitos de nossa vida diária e localizar quais hábitos ou coisas materiais nos roubam a paz.

Em seguida, devemos também analisar em quais áreas de nossa vida podemos ser mais cuidadosos. Por exemplo: analisar onde podemos reduzir o consumo desnecessário de energia (carro, aquecimento, eletricidade), quais produtos de uso diário são mais sustentáveis, como podemos reciclar de forma mais eficaz etc.

O valor das coisas

O que mais me cativa na virtude da frugalidade é o aspecto de aprender a dar a cada coisa seu devido valor. Nossas ações, decisões e compras tornam-se algo a mais do que uma simples reação impulsiva ao desejo de satisfação imediata, a necessidade imperiosa de satisfazer um capricho ou a ilusão de preencher um vazio emocional. Tudo adquire um sentido, uma razão de ser, à luz do bem comum e do consumo responsável.

Benefícios da frugalidade

Existem muitos benefícios ao se praticar a frugalidade:

  1. Ajuda-nos a nos conhecer e a nos regular. A frugalidade permite que nos tornemos mestres de nós mesmos. Põe ordem em nossa sensibilidade e afetividade, em nossos gostos e desejos e em nossas tendências mais profundas. Em suma, nos ajuda a encontrar o equilíbrio no uso dos bens materiais e nos ajuda a aspirar ao bem maior (ver Catecismo do Igreja Católica, n. 1809 );
  2. A frugalidade nos torna mais criativos e menos caprichosos. Essa virtude desenvolve muito a nossa criatividade, porque nos convida a aproveitar ao máximo todos os nossos recursos e a descobrir a sua verdadeira utilidade. É possível dar uma chance às coisas velhas e encontrar beleza também nas coisas mais simples;
  3. Nutre relacionamentos humanos de alta qualidade. Se praticarmos a frugalidade, reconheceremos muito melhor o respeito e o amor das pessoas ao nosso redor. A frugalidade incentiva-nos a viver mais o presente, com gratidão, conscientes e ligados à toda a beleza que existe em cada ser humano;
  4. Ajuda-nos a tolerar melhor a frustração. A frugalidade nos educa emocionalmente para perceber que nem sempre podemos ter nossos desejos satisfeitos.

 

Enfim, a felicidade não consiste em ter mais coisas ou em ter todas as nossas vontades satisfeitas. A frugalidade é um bom guia para nos ajudar a evitar a busca desesperada e sem sucesso pelo Infinito no finito.

 

Miriam Esteban Benito 

https://pt.aleteia.org/2021/12/10/a-virtude-que-nos-ajuda-a-ser-mais-felizes/